segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

COMO É QUE EU POSSO?

Como é que eu posso?
se quando o corpo arde
fecho os olhos
e é pra você, homem
que me entrego
que me entendo 
e escuto
tuas palavras presentes
sussurrando quentes
aos meus ouvidos.
Como é que eu posso?
me armar contra o teu jeito de menino
e de trovão
que me derrubam
guerreira
indefesa, por querer
nas tuas mãos.

Como é que eu posso
fechar o meu coração
e o meu corpo, pra você?
Como é que eu posso?
Não quero, não posso.
Errei.
Perdão.

4 comentários:

Jorge Santos disse...

Como posso comentar
se louco eu sou,moço
louco por morar
nos teus ouvidos
nas tuas mãos
as palavras que ouço
como é que eu posso
ficar insensível
a este pedido
de perdão...
J.S.

Santa disse...

Amor, romance, belo diálogo de apaixonados.

Sônia Brito disse...

Moço que mostra o rosto,
amigo poeta,
de lá, de lá, tanto mar...
Feliz é tua amada, de além mar...
que, do teu convés,
com tua voz, navegas,
Marinheiro de Portugal.

Grande abraço, Jorge. Li teus poemas e do Joel. Muito me agradou.
Obrigada pela visita.
Apareça.

Sônia Brito disse...

Santinha...
que bom que você já voltou do Carnaval.
Beijos